As mulheres e o Rock n' Roll

19 de setembro de 2010


        Em algum ponto específico, como o rock n' roll, aquela antiga discriminação imbecil entre homens e mulheres nunca foi resolvida; nunca existiu a discriminação e nem a tal "igualdade", mas, isso jamais incomodou ambas as partes, uma vez que, desde os tempos mais remotos, da construção e das ramificações do rock, as mulheres aproveitaram-se da sua sutileza, sem desejar os holofotes dados as grandes bandas formadas unicamente por homens, e assim passaram de meras "musas inspiradoras" a grandes executoras.

        E não devemos nos ater apenas as garotas responsáveis pelos vocais aveludados, estridentes ou suas interpretações despretenciosamente sedutoras, já que, se alguém aqui alguma vez sentiu-se deslocado com o deboche sonoro/festivo e intrigante das musicas do Pixies, esse alguém escutava uma "senhorita" estranha chamada Kim Deal no baixo. E se mais alguem teve algum momento nos anos 90, em que necessitava de algum método de "catarse" musical, esse alguém escutava Smashing Pumpkins e a psicodelia dos acordes de D'arcy Wretzky... E assim estas meninas utilizaram-se de suas peculiaridades pra por o nome de suas bandas num hall da fama da história do rock, sem atuar unicamente como "frontWoman".

        Por outro lado, obrigado Janis Joplin e as meninas meigas da banda Kittie (:D), Angela Gossow continue desbravando o mundo inexplorado do gutural feminino. E as garotas da nova geração, andem pelo inferno com a Lady GaGa e a Beyoncé. Parem de idolatrar a merda do Restart, curtam Joinville em um final de semana em que as casas da cidade trazem Os Impublicáveis, Tiffany Harp & Capone Brothers e, especialmente, procurem prestigiar a banda Lady Murphy pra aprender as medidas exatas de carisma e talento de uma mulher rockeira.

Obrigado banda Lady Murphy pelos shows mais divertidos do ano.

Obs.:

A Perfect Circle:

Maynard James Keenan: Vocal
Troy Van Leeuwen: Guitar
Billy Howerdel: Guitar
Josh Freese: Drums
PAZ LENCHANTIN (L): bass








Douglas Leonardo Maia dos Santos (Ogam)
ogam-_-@hotmail.com

8 comentários:

Anônimo disse...

Isso aí!
É o rock alimentando o sexismo e o preconceito.

Marcus Vinícius disse...

Acho que a leitura pode variar...

eu li justamente o contrário: o Douglas deu exemplos de musicistas que não precisam mostrar peito e bunda para fazer sucesso...

exatamente isso, ele fala que o preconceito no rock nunca foi assumido e nem temido e, no meio disso, algumas mulheres aproveitam para exibir o corpo e outras o talento, daí varia, se vc gosta de Smashing Pumpkins ou Madona.

Se for madona, cai fora do blog porque aqui não é teu espaço.

Eduardo disse...

O rock também alimenta a violência e maus tratos de animais!

disse...

aiuehiuhaiuheiuhiaehiaehiau


nu mínimo curioso

=}

Sidney disse...

Ta certo que a internet é um meio de comunicação "Livre" e "Democrático", mas particularmente, acho uma perca de tempo e falta do que fazer, entrar em locais - como este - sérios para fazer comentários ignorantes e provavelmente com uma grande falta de conhecimento. Enquanto poderiam estar assistindo a vídeos de mulheres gostosas rebolando, ou Teletubies, ao som de um barulho estranho.

Rock in City disse...

falou pouco e falou bonito Sidney!

Att.
Marcus

Anônimo disse...

Ah! Sidney?! Qual é???
É perda, cara! Perda! PERDA!

Marcus Vinícius disse...

É por estas e outras que tenho vontade de desabilitar a opção "Anônimo"

Oo

Postar um comentário

 
Vírus Rock | by TNB ©2010